top of page

Como criar um planejamento estratégico adaptativo



Com o término do ano fiscal se aproximando, as empresas iniciam o exercício anual de planejamento estratégico, enfrentando o desafio nada simples de prever e moldar o futuro. E é aí que começa o problema: o planejamento estratégico tradicional é, muitas vezes, baseado na ilusão da previsibilidade e controle em um ambiente de negócios que, como você já deve ter percebido, é bastante incerto e volátil.


Na tentativa de traçar rotas precisas para o futuro, as organizações acabam investindo tempo e dinheiro na criação de planos complexos e detalhados que, ironicamente, já se tornam obsoletos pouco tempo após sua criação.


Não se preparar para as mudanças rápidas e inesperadas no mercado, faz com que estratégias engessadas (e feitas por uma dúzia de pessoas que não tem muita noção da realidade organizacional e do cliente) acabem causando efeitos colaterais: limitam a capacidade de inovação da empresa, reduzem a agilidade dos times e prendem as equipes a metas que não são as mais adequadas para alcançar os objetivos organizacionais.


O planejamento estratégico tradicional falha ao não acomodar o aprendizado que ocorre durante a execução do próprio plano. Estratégias desse tipo costumam ser construídas sobre um conjunto de suposições e hipóteses que, quando confrontadas com a realidade do mercado, geralmente não se sustentam.


Então, ao se guiar por esse planejamento - que, afinal, demandou tantas reuniões e dias de imersão para ficar pronto -, as equipes acabam hesitando em desinvestir de iniciativas ineficazes, criando uma resistência cultural à mudança. Isso vai criando uma distância cada vez maior entre plano e implementação, e que eventualmente se torna insustentável. Tempo e dinheiro jogados fora! Mas… será que é possível encurtar essa distância?


O Planejamento Estratégico Adaptativo


O planejamento estratégico adaptativo surge como uma resposta a essa necessidade de maior flexibilidade.


Essa abordagem reconhece que a capacidade de se adaptar rapidamente a novas informações e mudanças do ambiente é uma vantagem competitiva crucial. Assim, o planejamento adaptativo fornece uma bússola que guia a organização, ao mesmo tempo em que mantém a flexibilidade para alterar o curso conforme necessário.


Ele valoriza a visão de longo prazo, mas está igualmente comprometida em reavaliar e ajustar estratégias em intervalos regulares para refletir as realidades em constante mudança. Se no planejamento estratégico tradicional as organizações ficam presas em ciclos de aprendizado anual, aqui a proposta é a evolução e o aprendizado contínuos.

Mas, então, como tornar o seu processo de planejamento mais adaptativo? Organizamos 10 dicas a seguir. Confira:


1. Abraçar o Minimalismo: Em um mundo onde a complexidade é a norma, a melhor saída é simplificar. No planejamento estratégico, isso significa ser minimalista em relação às diretrizes, focando energia naquilo que é essencial e gera valor.


2. Focar em Resultados em vez de Tasks: Ao invés de apenas cumprir as tarefas planejadas, o planejamento adaptativo enfatiza a importância de orientar as ações e recursos para alcançar impactos mensuráveis e resultados desejados.


3. Trocar Projetos por "Apostas" ou "Experimentos": Reformular projetos como "apostas" incorpora uma compreensão da incerteza e do risco, encoraja uma abordagem mais ágil na alocação de recursos e permite flexibilidade em perseguir, ajustar ou abandonar iniciativas baseadas em feedback do mundo real. Ao usar essa abordagem de apostas, as organizações ficam mais abertas a experimentar e aprender rapidamente, desistindo de maneira natural das iniciativas que não produzem os resultados desejados.


4. Iterar sobre Hipóteses: Entenda que o seu planejamento é baseado em hipóteses, que podem ou não se provar verdadeiras e precisam ser continuamente revisadas com base em novas informações. Isso encoraja a aprendizagem com os erros e a adaptação dos planos, e faz com que o time pare de encarar qualquer desvio do plano original como um fracasso.


5. Realizar Revisões Constantes: Check-ins regulares para monitorar a ajustar os planos estratégicos são essenciais, garantindo alinhamento com as circunstâncias em mudança.


6. Adotar um Orçamento Incremental: Ao invés de alocar orçamentos completos de início baseados em previsões ou predições, busque comprometer os recursos em etapas, com base no progresso e nos resultados demonstrados por cada área ou projeto.


7. Promover Mesas-redondas de Aprendizagem: Sessões regulares, onde as equipes podem compartilhar seus aprendizados, ajudam a promover a troca de conhecimento e podem ajudar a identificar desafios comuns ao longo de toda organização.


Sabemos que a criação de um planejamento estratégico adaptativo é um processo que demanda ferramentas e rituais específicos, e que pode ser acompanhado por consultorias especializadas, como a própria Stretch. Ainda assim, essas dicas já são capazes de trazer mais flexibilidade para sua estratégia, apoiando seu time em uma jornada de aprendizado contínuo para maior geração de valor.



Comments


bottom of page